NOTÍCIAS DE PRIMEIRA

Loading...

Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 23 de outubro de 2011

VARIEDADES LINGUÍSTICAS


Toda língua possui variações linguísticas. Elas podem ser entendidas por meio de sua história no tempo (variação histórica) e no espaço (variação regional). As variações linguísticas podem ser compreendidas a partir de três diferentes fenômenos.

1) Em sociedades complexas convivem variedades linguísticas diferentes, usadas por diferentes grupos sociais, com diferentes acessos à educação formal; note que as diferenças tendem a ser maiores na língua falada que na língua escrita;

2) Pessoas de mesmo grupo social expressam-se com falas diferentes de acordo com as diferentes situações de uso, sejam situações formais, informais ou de outro tipo;

3) Há falares específicos para grupos específicos, como profissionais de uma mesma área (médicos, policiais, profissionais de informática, metalúrgicos, alfaiates, por exemplo), jovens, grupos marginalizados e outros. São as gírias e jargões.



Assim, além do português padrão, há outras variedades de usos da língua cujos traços mais comuns podem ser evidenciados abaixo:

1) Uso de “r” pelo “l” em final de sílaba e nos grupos consonantais: pranta/planta; broco/bloco.

2) Alternância de “lh” e “i”: muié/mulher; véio/velho.

3)Tendência a tornar paroxítonas as palavras proparoxítonas: arve/árvore; figo/fígado.

4) Redução dos ditongos: caxa/caixa; pexe/peixe.

5) Simplificação da concordância: as menina/as meninas.
6) Ausência de concordância verbal quando o sujeito vem depois do verbo: “Chegou” duas moças. 
7) Uso do pronome pessoal tônico em função de objeto (e não só de sujeito): Nós pegamos “ele” na hora. 
8) Assimilação do “ndo” em “no”( falano/falando) ou do “mb” em “m” (tamém/também). 
9) Desnasalização das vogais postônicas: home/homem.
10) Redução do “e” ou “o” átonos: ovu/ovo; bebi/bebe. 

11) Redução do “r” do infinitivo ou de substantivos em “or”: amá/amar; amô/amor.

12) Simplificação da conjugação verbal: eu amo, você ama, nós ama, eles ama.


LINGUAGEM FORMAL E INFORMAL 

1) Linguagem formal é aquela em que se usa o padrão formal da língua, isto é, aquela ensinada na gramática, seu uso se dá em situações mais formais. 
2) Linguagem informal é aquela em que se usa o padrão informal da língua, ou seja, é aquela usada em situações que não requer tanto rigor, como nas conversas com amigos ou com a família. É bom ressaltar que não existe um padrão certo e um errado. O certo é você adaptar sua fala de acordo com a situação.





REGIONALISMO


vÉ o conjunto das particularidades linguísticas de uma determinada região geográfica, decorrentes da cultura lá existente.

v Uma de suas principais expressões é o dialeto. Um dialeto  é a forma como uma língua é realizada numa região específica. Cientificamente este conceito é conhecido por "variação diatópica", "variedade geolinguística" ou "variedade dialetal".







NEOLOGISMO


vÉ um fenômeno linguístico que consiste na criação de uma palavra ou expressão nova, ou na atribuição de um novo sentido a uma palavra já existente. Pode ser fruto de um comportamento espontâneo, próprio do ser humano e da linguagem, ou artificial, para fins pejorativos ou não.

vGeralmente, os neologismos são criados a partir de processos que já existem na língua: justaposição, prefixação, aglutinação, verbalização e sufixação. Podemos dizer que neologismo é toda palavra que não existia e passou a existir, independente do tempo de vida e de como surgiu.

     O neologismo está presente na representação de sons (puf!, Vrum!, miar, piar, tibum, chuá, cataplaft, etc) e na linguagem do msn (blz, flw, t+, qq, vc, ker, abc, xau, bju, etc). Nesta última, até mesmo os próprios símbolos são neologismos, uma vez que estes representam a linguagem não verbal e são considerados como parte da língua: =) (feliz), =( (triste). 







ESTRANGEIRISMO


vÉ o processo que introduz palavras vindas de outros idiomas na língua portuguesa. De acordo com o idioma de origem, as palavras recebem nomes específicos, tais como anglicismo (do inglês), galicismo (do francês), etc.

vÉ apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem.

v O estrangeirismo (ou peregrinismo) possui duas categorias:

1) Com aportuguesamento: a grafia e a pronúncia da palavra são adaptadas para o português.
  
  Exemplo: abajur (do francês "abatjour")

2) Sem aportuguesamento: conserva-se a forma original da palavra.
                    
                     Exemplo: mouse (do inglês "mouse“)








GÍRIAS


vÉ um fenômeno de linguagem especial usada por certos grupos sociais pertencentes à uma classe ou a uma profissão em que se usa uma palavra não convencional para designar outras palavras formais da língua com intuito de fazer segredohumor ou distinguir o grupo dos demais criando uma linguagem própria (jargão).








JARGÃO



vÉ o modo de falar específico de um grupo, geralmente ligado à profissão. Existe, por exemplo, o jargão dos médicos, o jargão dos especialistas em informática, etc.


vImagine que você foi a um hospital e ouviu um médico conversando com outro. A certa altura, um deles disse:

  ž"Em relação à dona Fabiana, o prognóstico é favorável no caso de pronta-suspensão do remédio.“

vÉ provável que você tenha levado algum tempo até entender o que o médico falou. Isso porque ele utilizou, com seu colega de trabalho, termos com os quais os dois estão acostumados. Com a paciente, o médico deveria falar de uma maneira mais simples. Assim:

  ž"Bem, dona Fabiana, a senhora pode parar de tomar o remédio, sem problemas"








vjargão profissional é um jargão caracterizado pela utilização restrita a um círculo profissional, ou seja, um conjunto de termos específicos usados entre pessoas que compartilham a mesma profissão. O jargão profissional não deve ser confundido com a gíria nem com linguagem técnica, embora às vezes sejam usados ao mesmo tempo pelas mesmas pessoas.


  žSão exemplos de jargões profissionais o chamado, especialmente no Brasil, "juridiquês" (dos profissionais de carreira jurídica), o "economês" (dos proficionais de Economia e jornalistas especializados em Economia e mercado) e o vício do gerundismo próprio dos profissionais de telemarketing e vendas.







Preparado por Sandra Helena

2 comentários: